sexta-feira, 21 de novembro de 2008

O PALÁCIO SE FOI.

Poucas pessoas sabem, mas o tradicionalíssimo Cine Palácio fechou as portas neste mês. Foi vendido para o grupo hoteleiro que adquiriu o hotel Ambassador, na rua Senador Dantas, nos fundos do cinema. A idéia deste pessoal é usar o nosso Palácio como o centro de convenções do hotel, mas isto ainda são rumores.

Minha avó está transtornada, chora de dar pena. Fez questão de que eu fosse com ela na quarta-feira à noitinha ao cinema, simplesmente para que eu tirasse uma foto sua em frente ao mesmo.

Este cinema de 1928, foi o primeiro a exibir filmes com som. No aniversário de oitenta anos, este lugar tão importante para os cariocas ganhou de presente sua própria morte.

Sendo assim, o bairro da Cinelândia, que já teve os cinemas Metro Passeio, Pathé, Capitólio, Rex, Rivoli, Colonial, Plaza, Império, Vitória e Palácio, tem apenas o Cine Odeon, é o único que ainda resta.

E então, meus caros, acho que devemos mudar o nome do bairro. Não faz mais sentido chamarmos de Cinelândia um lugar com apenas um de seus habitantes vivo. O resto já foi pra caixa, sem dó algum. A vontade de impor esta modernidade doentia está acabando com nossa história.

Vocês têm algum nome que caberia melhor para a antiga Cinelândia?









Até.

15 comentários:

Lucas Barreto disse...

Infelizmente, mais um se foi, não bastasse o Paissandu, no flamengo...

Poderemos chamar o bairro de templolândia, em homenagem as igrejas que tomaram o lugar dos cinemas.

Luiz Antonio Simas disse...

Podia ser pior, Cereal, muito pior. o Palácio virar Centro de Convenções é o menor dos males, e um hotel é importante para aquela região. Já sabia que o cinema ia dançar, mas achei que surgiria mais uma igreja pentecostal no pedaço...

Eduardo Goldenberg disse...

Cadê a foto da sua avó, pô!? Você foi contar isso no começo... deu-me a certeza de que eu a veria ilustrando o texto!

Felipinho disse...

Edu, a minha avó teve aquele problema que te falei, mas já está melhor. O pior (ou melhor) é que ela não fica quieta, adora uma rua. E quanto a foto, foi tirada com a máquina dela, que não é digital. Nem eu vi a foto ainda.

Beijo.

Eduardo Goldenberg disse...

Pois então, caboclo, assuma o compromisso público de escanear a foto da sua avó e mostrar pra gente! E se você tem, pelas contas do pessoal da rua, mais de 500 anos, quantos anos terá sua avó?!

Szegeri disse...

Dois balcões! Dois balcões!...

Nemias disse...

Sinceramente acho um absurdo aquele cinema ser vendido. Tinha que ser patrimonio histórico e tombado, até por ser um dos últimos cinemas antigos do Rio.


É foda ver grandes empresas como a Petrobrás, B. do Brasil, Tam, Vivo, Claro, Itaú etc que investirem milhões e milhões numa merda de um show da Madonna por exemplo e não arrendar ou alugar um espaço como aquele.

Xandre Lima disse...

É muito triste que os conglomerados de cinema só possuam uma visão comercial. Aliás me parece que tudo no Brasil está assumindo uma postura de negócio ao invés do amor a obra. Isso vai desde os cinemas até os desenvolvedores de informática e discursos de advogados. Tudo agora é voltado para ganhar o máximo de dinheiro possível, sem um pouco de pesquisa ou arte no trabalho.

O Brasil está fadado a ser um eterno antro de produção braçal enquanto o estrangeiro abraça a criatividade e a pesquisa para ganhar dinheiro com algo além da visão comercial.

Damião disse...

" Sou Morador do Centro e acho lamentável o fim dado ao Palácio, perde o Rio, perde a História, perde o Cidadão Carioca, um absurdo que um dos bastiões do Cinema de calçada seja fechado sem o mínimo de coerência por parte do Grupo Severiano Ribeiro, o dinheiro falou mais alto que o carinho para com o Rio e a cinelândia tão querida daqueles que curtiam um cinema depois do trabalho, Fiel ponto de encontro para um bom papo e um bom filme por um preço popular como era.

Damião A. Campos

Robson Olivier disse...

Já fazia um bom tempo que passava em frente ao Cine Palacio e via uns tapumes na entrada, mas para mim estavam reformando o cinema, afinal estamos falando do CINE PALACIO, um patrimônio do Centro do RJ.

Por falta de público não foi, porque o Cine Palácio sempre foi cheio, inclusive nos dias de promoção. A ganância falou mais alto. É uma pena, já está fazendo uma grande falta.

Lembro eu dos cinemas da Tijuca: America... dá uma saudade tão grande. Se algum dia tiver uma oportunidade, quebrarei esse "monopólio". ;) Voltaremos algum dia com os cinemas de rua.

arrellaga disse...

SE TIVERAM A CORAGEM DE DERRUBAR O PALACIO MONROE (ANTIGA SEDE DO SENADO FEDERAL), PRECISA DIZER MAIS ALGUMA COISA EM RELAÇÃO AO FECHAMENTO DO CINEMA PALACIO E TANTOS OUTROS ,VERDADEIRAS JÓIAS DA ARQUITETURA.
O PRIMEIRO SINAL DO QUE ESTAVA POR VIR FOI A RETIRADA DOS LUSTRES DE ALABASTRO NO FOYER(PRECIOSOS) E A DESATIVAÇÃO DA FONTE SOB O ALTO RELEVO LATERAL(PESCADORES),UMA PENA.NESTE PAIS NÃO EXISTE UMA COISA CHAMADA "MEMÓRIA".

Rodrigo disse...

Viva o capitalismo!

Felipinho disse...

Rodrigo, não fode.

Anonymous disse...

Rodrigo fdp!
Mas nem acho q ele falou por mal.

Childerico Fernandes disse...

Cheguei a ir bastante lá assim que cheguei ao Rio...uma pena...

Quanto ao nome no vo da Cinelândia, que tal Praça do Municipal?